Empresa não prova que pagamentos “por fora” eram empréstimos pessoais e terá de pagar diferenças